Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Relatos da Bé

Relatos da Bé

Para 2016...

Imagem3.png

 

Eu podia estar aqui a dizer que para este ano quero muita saúde, alegria, paz, harmonia, amor, felicidade ... (essas coisinhas todas) é verdade sim. Eu quero, quero muito. E a felicidade está nas nossas mãos, basta nós querermos. Mas o que eu quero mesmo muito logo no comecinho do ano, é um emprego. Quero muito começar a trabalhar. Preciso de dar rumo à minha vida. E eu vou conseguir, porquê? Porque eu acredito, e acima de tudo ... eu quero!

 

 

Desabafo

Não me apetecia mesmo nada passar a noite de passagem de ano enfiada em casa ou a ir dar uma volta pela terrinha ... Mas pelo andar da coisa vai ser assim mesmo! Pode ser que ainda consiga arranjar um plano fixe à última da hora, ainda tenho um bocadiiiiiinho de esperança! Vamos a ver...

Festa em casa = cenário maluco

Não sei se acontece só em minha casa mas toda a vez que há festa, seja de aniversário, de Natal ou simplesmente um almoço de família em minha casa há uma certa tendência em gerar-se uma grande confusão, diria mesmo ---> INSTALA-SE O PÂNICO!
Cada um vai pra seu lado. O meu pai lá arruma umas coisitas e vai respingardando a alto e bom som, a minha mãe anda de volta dos tachos toda atrapalhada com tanta comida e a rezar pra que não chegue ninguém antes da comida estar pronta, coitada quando isso acontece mais atrapalhada fica. Pra mim normalmente sobra sempre o trabalho das crianças, meter a mesa e limpar a loiça lavada para desocupar o espaço, deve ser por ser a mais nova cá de casa. A minha irmã sempre empávida e serena, é a última a acordar e depois de tomar o seu banhinho lá vem ver o que pode fazer para ajudar (às vezes já com tudo feito).
Nunca percebi para que é preciso tanto stress só porque vem gente cá a casa, afinal de contas isto não é nenhum serviço de catering ou um hotel de 5 estrelas que tem de prestar um serviço de excelência, sem passar sequer 1 minuto da hora marcada e sem poder haver reclamações. Se chegar alguém, tudo bem, espera e se for preciso dá uma mãozinha, estamos todos em família. Isto na minha opinião claro, porque na cabeça deles tem que estar tuuuuuuuudo pronto. Se penssassem como eu era tudo muito mais fácil e não se causava um estado de clima nervoso pelos corredores da casa. DIgo isto porque como esta gente fica toda doida descarrega sempre em alguém, e normalmente esse alguém sou eu! Hoje estou safa que a consoada é em casa do meu padrinho mas amanhã o almoço de Natal é cá em casa. Estou pra ver como vai ser, quase que posso adivinhar!

Misteriosa coincidência

12399356_935650546484471_27342415

 

Ontem à tarde, quando ia a caminho de casa até ao centro da cidade e a olhar para o chão, como faço quase sempre onde ando para evitar pisar coisas indesejáveis, deparei-me com esta bela folha em forma de coração mesmo no meu caminho, à frente dos meus pés. Que coisa maravilhosa, não resisti e tive que partilhá-la! E o mais interessante ainda foi ter sido no dia 23, que é um dia muito marcante para mim. Na foto não dá pra ver muito bem mas esta parecia 2 em 1. Uma espécie de uma folha pequena sobreposta numa maior, mas toda ela agarrada. Dois corações num só. Um mais pequenino num maior. Não sei se é coincidência mas estava mesmo à frente do infantário em que eu andei quando era pequena e onde ia colocar o meu filho, filho esse que perdi.

E a saga continua!

Desde pequenina que tenho uma sina espetacular e as melgas insistem em picar-me quase sempre nos olhos. Tenho uma foto de quando era bebé daquelas que se tiravam no infantário e lá estou eu pequenina com ar tão angelical mas com uma bela bolhona vermelha no olho. Suspeito que eles sejam muito docinhos. Enfim, eu até percebo. Infelizmente as melgas existem e têm que sugar um bocadinho do meu sangue de vez em quando, mas isso é no tempo de calor, no verão. Agora no Inverno? Dias antes do Natal? Francamente...
Anteontem, estava eu descansadinha a tentar dormir e lá oiço um ZzzZzzz... Acendi a luz, depois de voltas e voltas no quarto a olhar para o tecto e para as paredes feita tantã sem encontrar nada lá fui tentar dormir. De manhã quando fui à casa de banho e me olhei ao espelho... Oh não!!! Pois claro, tinha de ser! Uma picada no olho. Vá lá que não estava muito grande, provavelmente eu me mexi a dormir enquanto ela  me sugava e o serviço acabou por ficar incompleto. Graças a Deus! Mas ela não ficou por aqui, na noite a seguir picou-me outra vez... NO MESMO OLHO! Enfim... mesmo no inverno a saga continua!

Meu amor...

 

Estava mais feliz do que nunca. Tinha a meu lado um rapaz LINDO e MARAVILHOSO, era noite de passagem de ano, estávamos divertidos entre amigos e tudo estava a correr bem. Entretanto nessa noite nem tudo correu da melhor forma, tive imediatamente consciência do que podia ter acontecido. Tentei me acalmar e não pensar nisso até poder ter a certeza de se sim ou se não, mas algo me fazia crer que SIM. 

 
Os dias foram passando e eu esperava, esperava e esperava... mas nada! Estava atrasada e aí decidi fazer o TESTE, não podia esperar mais. Uma grande amiga ajudou me a tentar perceber o resultado, não chegávamos a conclusão nenhuma, CONFUSAS com aquelas listas a querer acreditar que era negativo, mas tudo a apontar para um resultado positivo. Depois desse teste fiz outro num centro de análises clínicas... POSITIVO!
 
Estava completamente desolada e sentia um TURBILHÃO de emoções, tinha feito 19 anos há pouco mais de um mês e ainda nao tinha acabado o meu curso.
O mais complicado estava por vir, contar à família. Não foi fácil, mas consegui ultrapassar isso e todas as dúvidas que em mim permaneciam, pois tinha o apoio das pessoas mais importantes para mim e dos meus grande amigos que me apoiaram INCONDICIONALMENTE  qual fosse a minha escolha.
 
À medida que o tempo passava eu me sentia melhor e mais aliviada, PRONTA para lidar com a situação. Afinal de contas um bebé é sempre uma bênção, não é verdade? Há coisas bem piores, mas as pessoas adoram dramatizar as situações e ver sempre o lado pior.
Sentia me super AGRADECIDA por nunca ter tido aqueles típicos vómitos durante a gravidez, de vez em quando lá me sentia um pouco enjoada mas nada de mais. Ao invés disso sentia uma SONEEEEIRA desgraçada todo o dia a toda a hora, e os cheiros tornaram-se 1000x mais FORTES. Passei então a ter mais cuidados com a alimentação, estava me a adaptar bem. 
 
A primeira consulta foi algo de FASCINANTE e INCRÍVEL, poder ver uma manchinha tão pequenina e o coração a bater, parecia estar tudo a correr bem, pensava eu...
Pois a certa altura numa consulta algo não estava bem, o coração nao estava a bater. Super angustiada tive de estar uns dias de repouso até à próxima consulta. Felizmente estava tudo normal com o bebé, o coração batia e ele estava bem MAIORZINHO do que a última vez. Apesar de tudo, o meu sofrimento estava longe de ter acabado.
 
A certo dia comecei a ter umas cólicas esquisitas e cada vez mais fortes e frequentes, eram CONTRAÇÕES, o meu organismo estava a expulsar o meu próprio bebé. Fui imediatamente para a maternidade. Depois de 30 minutos de viagem cheia de dores e amedrontada quando cheguei ainda estive 1 HORA na sala de espera. Enquanto eu esperava, pessoas ao meu lado festejavam e falavam com alegria, pois o bebé tinha nascido, foi tão doloroso estar ali naquela situação. Minutos antes de ser chamada passei pela DOR de perder o meu filho. Senti-o ... Vi-o ... Das piores imagens que já vi na minha vida e que insiste em ficar na minha MEMÓRIA. Já na sala, uma enfermeira analisou-me, não tinha nada ... o meu útero estava VAZIO!
 
Hoje sei que pior do que o momento em que descobri que estava grávida , foi sem dúvida o momento em que perdi o meu bebé!